Sintomas - Secura vaginal
O que é secura vaginal
o_que_e_secura_vaginal_menopausa
 
Atrofia urogenital é o termo médico utilizado para descrever os efeitos da falta de hormônios na vagina, após a menopausa. O tecido que reveste seu interior perde espessura, elasticidade e lubrificação e predispõem as mulheres a infecções no canal vaginal, na uretra e na bexiga. Mais seca, a vagina fica mais suscetível a coceira e a sensação de queimação, condições que tornam a relação sexual dolorosa. A penetração pode chegar a ferir os tecidos da parede vaginal e provocar sangramento, problema que os ginecologistas diagnosticam com o nome técnico de dispareunia.
 
A secura vaginal, bem como os demais sintomas associados `a menopausa podem surgir até dez anos antes da última menstruação. Inicialmente de forma leve, eles ficam a acentuados a partir dos 45 anos, em média. O desaparecimento dos folículos ovarianos aumenta por volta dessa idade. O fenômeno, denominado de atresia folicular dá origem a um circuito de erros na produção hormonal, levando a picos de alta quantidade e de baixa abrupta de hormônios em circulação.
 
O desaparecimento dos folículos e a flutuação nos níveis hormonais reduz em até 50% a chance de ovulação a cada ciclo e são os principais responsáveis pelos sintomas clássicos da aproximação da menopausa: irregularidade do ciclo e do fluxo menstrual, ondas de calor e de suores e ressecamento da mucosa vaginal. Eles atingem 80% das mulheres, em algum momento da transição. A maioria desses sintomas têm duração limitada, em geral de quatro a cinco anos a contar do início da perimenopausa, com exceção do ressecamento da mucosa vaginal, cujo efeito é duradouro.
 
A aplicação local de cremes é suficiente para restaurar a normalidade da mucosa vaginal e o seu PH normal e conter infecções. Entre os cremes mais indicados pelos médicos estão os produtos à base de estriol, um tipo de estrogênio menos potente, ou formulações com do tipo ovestrion, promestriene e colpotrofine, que tem ação apenas local. O uso de gel ou creme vaginal não hormonal do tipo K-Y fornece alívio temporário para o ressecamento da vagina e o desconforto na relação sexual. Para quem faz TRH, o problema deixa de existir depois dos primeiro mês de uso.
 
Efeito drástico 
 
A mucosa vaginal adulta é revestida por uma camada de tecido pregueado inigualável por qualquer outro órgão. Tem pregas em rugas e colunas. As colunas acompanham os dois eixos de entrada e as rugas desenham zigue-zagues que se superpõem de cima para baixo nas laterais e espessam às vezes em tubérculos. Essa textura, que constitui o crivo natural de atrito na penetração, e é espessa e carnuda na mulher jovem, atenua muito com a idade. Nos anos seguintes à menopausa, o interior da vagina se torna mais liso e fino. "Abandonada pelas rugas, perde o poder de fricção", escreve o médico ginecologista francês Gérard Zwang, em seu livro, O Sexo da Mulher(22).
 
As descrições a respeito dos efeitos da falta de estrogênio sobre o órgão sexual feminino costumam ter esse tom fatalista. Mas de fato é grande o desgaste dos tecidos da vagina e do sistema urinário na decorrer da menopausa, por causa da redução do suprimento de hormônios estrogênios à região. O local é altamente dependente do estrogênio, tem milhões de receptores de estradiol espalhados por tudo quanto é canto e tende a atrofiar sem o estímulo hormonal, com o passar do tempo (23). O efeito é mais rápido para quem leva vida sedentária e não mantêm um nível relativo, digamos, de atividade sexual. O orgasmo frequente, obtido na relação a dois ou com a masturbação, não importa, atenua consideravelmente a intensidade das mudanças ao aumentar a irrigação sanguínea dos tecidos da região pélvica e tonificar sua musculatura. Um detalhe interessante: mulheres que tiveram filhos tem uma rede de veias maior e mais complexa na área genital e se beneficiam, particularmente, dos resultados desse prazeroso exercício.